Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vale do Sousa em Destaque

Castelo de Paiva - Felgueiras - Lousada - Paços de Ferreira - Paredes - Penafiel

Época de Incêndios Comissão Municipal de Defesa da Floresta discutiu Plano Operacional para o ano 2012.

A Comissão Municipal de Defesa da Floresta, que integra representantes das corporações de bombeiros do concelho, da GNR, da Autoridade Florestal Nacional, da Associação Florestal do Vale do Sousa, das Juntas de freguesia, dos clubes de caçadores locais, dos escuteiros e da associação desportiva Penatrilhos, reuniu no passado dia 18 de Abril, no salão nobre da Câmara Municipal de Penafiel, para discutir e aprovar o Plano Operacional Municipal (POM) para o ano de 2012.

 

O POM concretiza a estratégia municipal relativamente aos incêndios florestais através da operacionalização do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios de Penafiel no que respeita às ações de vigilância e deteção, fiscalização, 1ª intervenção, combate, rescaldo e vigilância pós-incêndio.

 

Para Antonino de Sousa, Vereador com o pelouro da proteção civil, da Câmara Municipal de Penafiel, “Esta sessão serviu essencialmente para determinar e fortalecer a importância da responsabilidade de cada um dos intervenientes no sistema ao nível concelhio, para manter a aposta no reforço da capacidade de vigilância e deteção, através da ativação dos postos de vigia municipais localizados nas freguesias de Rio de Moinhos, Lagares, Luzim e Croca com recurso a jovens e ao abrigo do Programa de Voluntariado Jovem para as Florestas, sem esquecer o combate através da criação, à semelhança do ano passado, da Brigada Municipal de Incêndios Florestais e do posicionamento estratégico da equipa de Sapadores Florestais afecta à Zona de Intervenção Florestal de Entre Douro e Sousa.

 

No que respeita à fiscalização, a GNR (Guarda nacional Republicana) vai continuar a garantir o cumprimento da limpeza dos matos nas envolventes as edificações situadas em espaço rural cujo incumprimento, a partir de 15 de Abril, incorre na aplicação de coimas  no valor de 140 a 5000€, sendo prestada especial atenção à fiscalização do uso do fogo para queimar sobrantes de exploração agrícola ou florestal, na medida em que se aproximam condições de maior severidade meteorológica e que propiciam condições favoráveis à ocorrência de incêndios florestais.